Kassab e o bode na sala: “O Dia do Orgulho Heterossexual”.

“Se o povo soubesse como são feitas as leis e as salsichas, não dormiria tranqüilo”
(Otto Von Bismark – estadista alemão).

A questão de vetar ou não o PL 294/2005 (Dia do Orgulho Heterossexual) é uma falsa questão…
O que está acontecendo na Cidade de São Paulo é uma total falta de vergonha na cara por parte de 40 vereadores, os quais foram cooptados pelo prefeito Gilberto Kassab.
Os debates na Câmara Municipal são “prá inglês ver”, pois é evidente que os nobres edis traidores estão mais interessado em aprovar os projetos de interesse do prefeito Kassab, das construtoras e da especulação imobiliária; projetos estes que coincidentemente atendem a grupos que são grandes doadores para as campanhas eleitorais.
Os nobres vereadores traidores, para dar uma desculpinha esfarrapada para os seus currais eleitorais, fazem o seguinte acordo: aprovamos cegamente os projetos do Kassab, das construtora e da especulação imobiliária… Mas, em troca, cada vereador poderia aprovar um projeto de sua autoria, um projeto que não seja debatido com a sociedade civil.
Foi isso que aconteceu com o PL 294/2005 (Dia do Orgulho Heterossexual), do nobre- vereador-fanático Carlos Apolinário (DEM). Vejam que este vergonhoso projeto não foi debatido na “comissão que analisa o mérito” (Comissão de Educação, Cultura e Esportes). Fizeram um “congresso de comissões”, eufemismo para “rolo compressor” da maioria amiguinha do prefeito de plantão. O presidente da Comissão de Educação era o vereador-professor Beto Custódio (PT) em 2004.
O PL 294/2005 (Dia do Orgulho Heterossexual) foi aprovado por “voto simbólico” na Câmara Municipal. Alguns vereadores, com alguma vergonha na cara, ainda tentaram declarar o voto contra… Muitos destes vereadores votaram alegremente a favor do Túnel da Vergonha (no Jabaquara), onde vão enterrar R$ 3 bilhões de reais para atender exclusivamente às construtoras, à especulação imobiliária e garantir um mínimo R$ 60 milhões em doações para as campanhas eleitorais de 2012… alguns destes vereadores também votaram expressamente contra priorizar a construção de moradias populares no Jabaquara… R$ 3 bilhões daria para construir 3 mil creches ou 60 mil casas populares ou 600 postos de saúde ou 10 hospitais…

Vejam que o excelentíssimo senhor prefeito de Piratininga Gilberto Kassab já ia sancionar (transformar em lei) o famigerado projeto: a criação da data comemorativa não seria um apoio à homofobia. “É um projeto como outro qualquer”, disse Kassab na Folha de S. Paulo (05/08/2011).

A gritaria da imprensa hipócrita, contra o PL 294/2005, foi pela repercussão negativa que o “Dia do Orgulho Heterossexual” daria ao Brasil no exterior, pois nosso país já é considerado homofóbico e um dos lugares onde mais se matam pessoas por conta da sua orientação sexual.
Então ficamos assim: O Túnel da Vergonha pode ser aprovado… mas o famigerado Dia do Orgulho heterossexual tem de ser vetado, um veto prá inglês ver.

Enquanto ficamos debatendo o “bode na sala” (PL 294/2005 – Dia do Orgulho Heterossexual), o prefeito Gilberto Kassab desperdiça R$ 3 bilhões em um Túnel da Vergonha que só vai atender carros particulares; desperdiça mais R$ 1,5 bilhão no projeto Nova Luz (acabar com 50 mil empregos e 5 mil lojas); aos mesmo tempo em que diz faltar dinheiro para construir creches, postos de saúde, hospitais, casas populares e até mesmo o corredor de ônibus da Celso Garcia!

Nada como ter uma câmara de vassalos e uma dócil imprensa movida a anúncios pagos com dinheiro público.

Falta dinheiro para quase tudo. Mas, parece que dinheiro para a propaganda paga em rádios, tvs e jornais não falta…
Parafraseando Mark Twain, escritor norte-americano, a Cidade de são Paulo tem a melhor câmara municipal e a melhor imprensa que o dinheiro pode comprar.

São Paulo, 22 de agosto de 2011.
Mauro Alves da Silva.
Movimento Jabaquara Livre.
http://jabaquaralivre.wordpress.com/

P.S.: A proposta do PL 294/2005 (Dia do Orgulho Heterossexual), embora tendo sido aprovado pela “Comissão de Constituição e Justiça” (sic), teve o voto contrário da então vereadora Soninha Francine e do atual vereador José Américo.
No caso do “congresso de comissões”, a “Comissão de Educação” aprovou o PL 294/2005 (Dia do Orgulho Heterossexual) com a seguinte justificativa: “Quanto ao mérito, a Comissão de Educação, Cultura e Esportes entende ser inegável o interesse público da proposta, razão pela qual opina no sentido da aprovação do projeto”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s