‘Há grandes temas a serem postos ao Supremo’, diz Duprat

Da Folha

‘Há grandes temas a serem postos ao Supremo’, diz Duprat

DE SÃO PAULO

Se for escolhida procuradora-geral, Deborah Duprat irá priorizar ações na área de direitos humanos. Ela quer reproduzir o que fez nos 20 dias em que atuou na interinidade de Roberto Gurgel (2009), quando desengavetou ação sobre aborto de anencéfalos e ajuizou processos sobre a Lei Maria da Penha, Marcha da Maconha, grilagem, transexuais e união homoafetiva.

Folha – O MPF está isolado?

Deborah Duprat – Eu não acho. Várias ações mostram uma interlocução permanente. Agora, o fato inegável é que não estamos como naqueles momentos imediatamente posteriores à Constituição de 1988. Não sei se nós, na cúpula, perdemos a interlocução. Vejo trabalhos muito interessantes na base.

Como deverá ser a interlocução externa do PGR?

Proponho uma audiência pública anual para prestação de contas e oitiva da sociedade. Há grandes temas a serem postos ao STF. Há o papel importante na interlocução com movimentos sociais.

Como vê as pressões contra Gurgel pelos senadores Renan Calheiros e Fernando Collor?

Lamento. Sou a favor das aproximações. Há desproporcionalidade, talvez, na reação. No mensalão, Gurgel fez o que lhe caberia fazer. A questão de tom, como muitos criticam, é pessoal.

Há centralismo na atuação do PGR nas ações penais?

Pretendo mudar completamente. O gasto do gabinete do PGR é extremamente franciscano. É uma característica de seus antecessores também. Minha ideia é ter uma equipe trabalhando nesse acervo enorme, de modo a que os processos não tardem.

Acha que a PEC 37 vai passar?

Avalio que não. Fiz o parecer que está no STF em relação a várias ações diretas de inconstitucionalidade. Há um dado interessante, a partir da jurisprudência das cortes internacionais de direitos humanos. A partir do momento em que o Estado toma para si o monopólio da punição, ele tem a obrigação de investigar e dar uma resposta célere e eficaz. Não existe racionalidade em colocar um único órgão responsável por essa tarefa.

O Ministério Público faz um bom controle da polícia?

Não. A câmara setorial produziu um manual de orientação. Mas eu vejo ainda precariedades nessa área.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s