Arquivo da categoria: Jabaquara

Audiência Pública Mobilidade no Jabaquara, 29-11-2018.


Com Flávio Santos, Andrea Pereira, Maria de Lourdes, Carlos Nascimento, Miriam Bock, Lucia Farias, Mauro Ramon, Mauro A. Silva e outros.
Audiência Pública sobre Mobilidade Urbana – Vida Segura.

divulgação: Consabeja Jabaquara
http://www.consabeja.org

Prêmio São Paulo de Liderança Comunitária 2018.


O Prêmio São Paulo de Liderança comunitária é uma iniciativa do Consabeja Jabaquara.
Na mesma data entregamos o Prêmio São Paulo de Jornalismo Comunitário, premiando um jornalista de jornal de bairros e um radialista comunitário.

Nesta data também celebramos:
– o Dia do Líder Comunitário do Município de São Paulo. Lei Municipal 12007/1996.
– O dia nacional da Língua Portuguesa;
– O Dia Nacional da Cultura; e
– O Dia do Radialista.

Também serão homenageados diversas lideranças comunitária e autoridades que apoiam o trabalho comunitário.

Data: 05-11-2018, das 18h30 as 21h.
Local: Câmara Municipal de São Paulo – Auditório Prestes Maia. Viaduto Jacareí 100, 1º andar, Centro, São Paulo/SP.

Realização:
Consabeja Jabaquara.
http://www.consabeja.org

Governador Marcio França apoia Celia Marcondes 43010.


O Governador de São Paulo, Marcio França 40, apoia a dra. Celia Marcondes 43010 para deputada estadual por SP.

Colinha – Mauro apoia os seguintes candidatos…


Colinha – Mauro apoia os seguintes candidatos…
Dr. Wadão 3643 – Federal SP
Dra Celia Marcondes 43010 – Estadual SP
Supliy 131 – Senador SP
Mário Covas Neto 191 – Senador SP
Marcio França 40 – Governador SP
Fernando Haddad 13 – Presidente SP

São Paulo, 06 de outubro de 2018.
Mauro Alves da Silva – Jornalista
Presidente do Grêmio SER Sudeste
Coordenador do Movimento COEP – Comunidade de Olho na Escola Pública;
Diretor de Comunicação do Consabeja Jabaquara
Tel. Cel.: 11-9545441936 (Tim e Zap)
e-mail: mauro_gremio@hotmail.com

Mauro apóia Dr. Wadão 3643 e Dra. Célia 43010.


Mauro Alves da Silva apóia Dr. Wadão 3643 – Federal; e Dra. Célia Marcondes 43010 – Estadual por SP.

São Paulo, 1º de outubro de 2018.
Mauro Alves da Silva

50 tons de cinza dos vereadores que votam contra o Jabaquara.


Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor
http://www.gremiosudeste.wordpress.com

50 tons de cinza dos vereadores que votam contra o Jabaquara.

O PL 722-2015 transfere investimentos do Jabaquara para a região da Berrini, Pinheiros e Chucri Zaidan. Mais R$ 4 bilhões sem investigar onde torraram os outros R$ 4 bilhões…

Em uma ilegal sessão extraordinária da Câmara Municipal de São Paulo, 50 vereadores aprovaram o PL 722-2015. O PL atende aos interesses inconfessáveis das grandes construtoras e da especulação imobiliária (conforme palavras do presidente Milton Leite).

Embora estejam noticiando que o PL 722-2015 (com modificações) é para arrecadar dinheiro para a construção de moradias populares, a própria apresentação do PL já confessa que o objetivo é a especulação imobiliária:
“Aprova o Plano Urbanístico Complementar do Setor Chucri Zaidan da Operação Urbana Consorciada Água Espraiada, nos Distritos de Santo Amaro e Itaim Bibi”.

Especulação imobiliária
A especulação imobiliária ficou evidente no dispositivo referente aos CEPACs (Certificados de Potencial Adicional de Construção): transferiram 250 mil metros quadrados do Jabaquara para a região da Berrini, Pinheiros e Chucri Zaidan. E não digam que essa transferência é “impessoal”, pois o representante da Secretaria Municipal de Urbanismo disse que já foi procurado por investidores; e que não existe interesse em investir no Jabaquara (ata da audiência pública de 19-08-2018)…
Não será surpresa se já houver planos para a construção de um shopping center na região…

A enganação com as moradias sociais.
É evidente que estão utilizando a legitima mobilização dos movimentos populares para, na verdade, levantar recursos bilionários para atender às construtoras e à especulação imobiliária.
Embora o projeto de lei 722-2015 determine que se gaste 30% dos valores arrecadados com moradia popular, o prazo é de até 5 anos… e não tem metas anuais… e não tem quem fiscalize…
E não informa que foram contratadas somente 4 mil moradias (em licitação fraudada);
E não diz nada sobre as outras 8.500 famílias já cadastradas;
E ignora 20 mil famílias carentes na região de Americanópolis, Jd, Lourdes e Vila Clara;
E acaba com o direito dos inquilinos também serem inscritos em programas habitacionais;
E acaba com o direito dos moradores atingidos pelas obras continuarem morando no Jabaquara…

50 tons de cinza dos vereadores paulistanos
É óbvio que os 50 vereadores votam contra o Jabaquara por interesses diversos. Mas o que os une é o fato de nenhum deles representar o Jabaquara. Aliás, faz mais de 30 anos que o Jabaquara não elege um seu represente para a Câmara Municipal, embora tenha 240 mil moradores, sendo 180 mil eleitores registrados. Estes 50 vereadores só vem ao Jabaquara de 4 em 4 anos para beliscar alguns votos…
Mesmo com a construtora Odebrecht confessando a fraude na licitação do túnel bilionário (e das 4 mil moradias), os 50 vereadores não querem a instalação de CPI para investigar a Operação Urbana, pois:
– alguns têm rabo preso com a construção da Ponte Estaiada (custou R$ 360 milhões);
– alguns têm rabo preso com a aprovação do Túnel de R$ 3 bilhões (mudança na lei em 2011);
– alguns têm rabo preso com o prefeito denunciado por receber 21 milhões em propinas;
– alguns têm rabo preso com a associação imobiliária que ilegalmente fez doações em 2008;
– alguns têm rabo preso com o governador, e não querem investigar a verba dada o Metrô (R$ 390 mi);
– e alguns vereadores votam qualquer coisa, desde que aprovem seus projetos de títulos e honrarias…

Mais uma vez a Câmara Municipal de São Paulo virou as costas para a população paulistana. Embora o voto tenha sido contra o Jabaquara, a conta maior vai para todos os paulistanos, pois a venda de títulos (CEPACs) não é suficiente para pagar as obras de infraestrutura e nem as propinas inerentes a estes tipos de contratos, que não são fiscalizados pela Câmara. Então, só nos resta recorrer ao Judiciário.

São Paulo, 23 de agosto de 2018.
Mauro Alves da Silva – jornalista e Presidente do Grêmio SER Sudeste.
Cel.: 11-954544193 – e-mail: mauro_gremio@hotmail.comhttp://www.gremiosudeste.wordpress.com

Reunião do Conseg Jabaquara em 16-04-2018.

Aconteceu nesta terça-feira (16/04) mais uma reunião do conselho de segurança comunitária do Jabaquara, sob presidência da Mirian Bock, na Associação Amigos da Cidade Vargas.
A reunião contou com a presença de José Luiz Nodar Ribeiro (Secretário Geral do Consabeja), Rosa Oliveira (Jornal Jabaquara em Notícias, Osmar Pereira Machado (superintendente da da Distrital centro Sul da Associação Comercial), entre outros…
Embora as autoridades presentes tenham afirmado que houve diminuição das ocorrências policiais, a sensação da população é de que está havendo uma onda de assaltos em toda a região.
A orientação da polícia pe de que sempre se faça o Boletim de Ocorrência (B.O>), pois só assim a autoridades policias ficam sabendo da real situação.
Uma moradora, que teve a cassa assaltada três vezes, reclamou do atendimento da delegacia: levam mais de 4 horas para fazer um B.O.
O delegado representante da policia civil disse que temos caos de prioridade: flagrantes e óbitos (muitos vindos do Hospital Sabóya).
Mauro Alves da Silva,jornalista e presidente do Grêmio SER sudeste, informou que não existe a necessidade de se fazer o B.O. de forma presencial. Pode-se fazer uma petição ao delegado do distrito policial para que instaure uma investigação da notícia-crime:
“Notitia criminis, ou notícia-crime, é o conhecimento de um fato criminoso, que se leva à autoridade. Ela pode se materializar por meio de um boletim de ocorrência ou de uma petição, entre outras formas, e pode ser dirigida ao delegado de polícia, ao Ministério Público ou ao juiz. A lei não impõe rigor formal, mas devem estar presentes na comunicação a narrativa do fato em todas as suas nuances e a indicação (com possível qualificação) de quem é provável autor do crime”.
A Petição deve ser feita em 2 vias e protocolada no cartório da delegacia.
Também existe a possibilidade de se enviar a petição via Carta Registrada.
Apesar da reunião do Conseg ser sobre “segurança pública”, muitos moradores levam casos de zeladoria, trânsito e transporte.
O caso mais emblemático é o do Expo São Paulo, centro de exposições que vem há vários anos causando transtornos aos moradores do bairro da Cidade Vargas. Nos dias de eventos, quase todas as semanas, a região fica com as rua intransitáveis. As obras de compensação do impacto de vizinhanças nunca foram feitas e as autoridades pulicas são omissas ou coniventes com a protelação. Os moradores ameaçam fazer protestos fechando as ruas do bairro.

Vejam as fotos aqui.

Vejam os vídeos aqui.

São Paulo, 16 de abril de 2018.
Mauro Alves da Silva, jornalista e presidente do Grêmio SER Sudeste – Promoção da Cidadania e Defesa do Consumidor.
http://www.gremiosudete.wordpress.com