Convite Sessão Solene 40 anos do Consabeja Jabaquara.


Celebração dos 40 anos do Consabeja Jabaquara.
Sessão Solene na Câmara Municipal da Cidade de São Paulo.
Data: 18/09/2017, das 19h as 21h.
Plenário 1º de Maio
Viaduto Jacareí 100, S. Paulo-SP.

O presidente José Roberto Alves da Silva tem a honra de convidar a todos para Sessão Solene para Celebração dos 40 anos do Consabeja Jabaquara – Conselho das Associações Amigos de Bairros do Jabaquara e Adjacências, a ser realizada em 18 de setembro de 2017, das 19h as 21h, no Plenário Primeiro de Maio da Câmara Municipal de São Paulo.

Serão entregues Diplomas de Gratidão e Honra ao Mérito para diversas Lideranças Comunitárias e Autoridades que colaboraram com o Consabeja-Jabaquara ao longos dos últimos 40 anos.

Favor confirmar presença:

e-mail: consabeja@yahoo.com – cel.: 11-954544193 (Tim e Zap)

http://www.consabeja.org

Anúncios

Governo golpista vendendo o Brasil em 7 de setembro.

Divulgação:
http://www.blogdomaurosilva.wordpress.com

Marcha Pela Paz – Jabaquara 2017.


Marcha Pela Paz – Jabaquara 2017
Dia 17/09/2017, as 9h.
Inicio no Metrô Conceição até o CEU Caminho do Mar.
Tema: Paz, Saúde, Educação e Justiça Social.

A Marcha Pela Paz – Jabaquara 2017 lançará o Observatório Paulista Contra a Violência, o qual fará o monitorando das políticas públicas voltadas à questão. Além disso, o Observatório Paulista Contra a Violência apresentará propostas, caminhos e soluções para superar a falta de políticas públicas na área, incluindo práticas e projetos de Saúde, Educação e Cultura da Paz na formação continuada de lideranças comunitárias.

Organização: CONSABEJA-Jabaquara – http://www.consabeja.org

Colabore com a a Marcha Pela Paz
https://www.vakinha.com.br/vaquinha/marcha-pela-paz-jabaquara-2017

Imagem

Desfile Cívico Militar no Jabaquara

O secretário Alexandre Schneider mentiu na Audiência Pública?


Mauro Alves da Silva, pelo Fórum Municipal de Educação da Cidade de São Paulo fez 5 perguntas diretas ao secretário municipal de educação da Cidade de São Paulo, Alexandre Schneider:
1) Qual foi o estudo técnico específico usado para cortar R$ 300 milhões do Programa Leve leite? Para cobrir as necessidades diárias de cálcio as crianças deveriam, então, comer 1kg de verduras…
2) Qual o motivo da suspensão dos repasses da verba da merenda por parte do governo federal nos últimos 4 anos?
3) Como está o Conselho da Merenda no Município de São Paulo? Estão se reunindo? Como são escolhidos os alunos e os pais de alunos para este conselho?
4) Por que a Secretaria Municipal de Educação sonega a informação sobre os relatórios de visitas das supervisões escolares nas escolas municipais?
5) O secretário Alexander Schneider disse que não vai abrir sindicância para apurar as denuncias de que a Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) João Amós Comenius, na Brasilândia (zona norte), estaria marcando crianças com tinta para que elas não repetissem a merenda. O secretário disse que ouviu a diretora… e que ela errou… mas que não vai abrir sindicância… e que o Ministério Público abriu investigação… e que ele (secretário) vai defender a diretora… Pergunta: o secretario não vai ouvir os alunos e seus pais?

Resposta 1: O secretário Alexandre Schneider disse que houve estudos sobre a questão do Leve Leite.

Observação 1: ou o secretário está mentindo ou a própria secretaria municipal está mentido. Segundo resposta oficial da SME não houve estudo específico, tendo sido uma decisão política do prefeito em razão da restrição orçamentária: “É também nesse período da vida que o leite se apresenta como complemento alimentar de grande importância; – e também, como fator determinante para a decisão de se repensar o formato de atendimento do Programa, direcionando-o para quem realmente precisa, foi a restrição orçamentária pela qual passa o Município de São Paulo”. (Lei de Acesso à Informação, Protocolo nº 20994, de 24/03/2017, abaixo)

Resposta 2: O secretario diz que não julga ninguém…

Observação 2: O secretário Alexandre Schneider prevaricou? Não caberia a ele mandar instaurar uma sindicância? Ao dizer que a diretora é inocente ele não antecipou um julgamento? O Secretário não sabe que “marcar o aluno” cria um constrangimento ilegal? O secretário não sabe que o constrangimento ilegal tem prescrição de punição legal nos termos do Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (lei federal 8069/1990)? Ele não sabe que é o responsável final pela eventual punição a ser aplicada à diretora? Isso é ou não é prevaricação?

S. Paulo, 30-08-2017.

Mauro Alves da Silva.
Presidente do Grêmio SER Sudeste.
http://www.gremiosudeste.wordpress.com

Coordenador do Movimento Comunidade de Olho na Escola Pública
http://www.movimentocoep.wordpress.com

Membro do Fórum Municipal de Educação da Cidade de São Paulo.
http://www.fmesaopaulo.org

http://www.agora.uol.com.br/saopaulo/2017/08/1911263-escola-municipal-marca-aluno-para-nao-repetir-merenda.shtml

***
Protocolo: 20994
Requerente: Mauro Alves da Silva
Data de Abertura: 24/03/2017
Prazo de atendimento: 13/04/2017
Órgão da solicitação: SME – Secretaria Municipal de Educação

Solicitação do requerente: Pedido 19-2017. Para: Secretaria Municipal de Educação da Cidade de São Paulo – SME. Resumo: Estudo ou parecer técnico que embasou as mudanças no Programa Leve Leite; 19-2017 – Solicito cópias dos Estudos ou pareceres técnicos que embasaram as mudanças no Programa Leve Leite;

Resposta: Prezado Munícipe, Para reformulação no Programa Leve Leite, criado em 1995, esta SME, juntamente com seu corpo técnico, considerou os seguintes aspectos: – o Programa Leve Leite, surgiu no ano de 1995, quando se vivia outra realidade em termos de Segurança Alimentar e Nutricional em nossa Cidade; – a desnutrição apresenta queda em todas as faixas etárias, comparado com prevalências do passado, conforme estudo anexo; – o Programa Municipal de Alimentação Escolar evoluiu significativamente, sempre alinhado com diretrizes e recomendações mundiais que permeiam a saúde alimentar da população, e tornou-se referência mundial; – a situação de vulnerabilidade a que estão sujeitas determinadas famílias de baixa renda; – as crianças com idade de creche e pré-escola não matriculadas na Rede Municipal de Ensino e portanto sem acesso ao Programa de Alimentação Escolar; – Nos últimos anos se intensificaram estudos mostrando a importância do pleno desenvolvimento infantil na idade de 0 a 6 anos, fase que ficou conhecida como Primeira Infância. É nesse período da vida que as crianças desenvolvem com maior intensidade as habilidades motoras, cognitivas, sociais e emocionais que as acompanharão durante a vida. É também nesse período da vida que o leite se apresenta como complemento alimentar de grande importância; – e também, como fator determinante para a decisão de se repensar o formato de atendimento do Programa, direcionando-o para quem realmente precisa, foi a restrição orçamentária pela qual passa o Município de São Paulo. Para todos os aspectos apresentados existem estudos, artigos, matérias amplamente divulgados e publicados. Atenciosamente, Fatima Elisabete Pereira Thimoteo Chefe de Gabinete Secretaria Municipal de Educação

Para obter detalhes do pedido de informação registrado, acesse o e-SIC pelo link http://esic.prefeitura.sp.gov.br e clique na opção do menu do sistema “Consultar Pedido“.

Atenciosamente,

400 mil advogados não garantem justiça no Brasil.

Sem advogado não se faz justiça.

Mas 400 mil advogados não garantem justiça.

O golpe foi patrocinado por advogados paulistas…
Colocaram um professor de Direito para chefiar a quadrilha no Palácio do Planalto.

http://www.blogdomaurosilva.wordpress.com

Veja a notícia:
http://www.oabsp.org.br/noticias/2017/08/oab-sp-entrega-carteira-no-400-mil.11921

Imagem

Nazista é de direita.